Publicado em Deixe um comentário

Fotoproteção, dicas e importância do uso do Protetor Solar.

 

A exposição à radiação ultravioleta (UV) tem efeito cumulativo. Ela penetra profundamente na pele, sendo capaz de provocar diversas alterações, como o bronzeamento e o surgimento de pintas, sardas, manchas, rugas e outros problemas. A exposição solar em excesso também pode causar tumores benignos (não cancerosos) ou cancerosos, como o carcinoma basocelular, o carcinoma espinocelular e o melanoma. A maioria dos cânceres da pele está relacionada à exposição ao sol, por isso todo cuidado é pouco.

Sobre os protetores solares (fotoprotetores):  também conhecidos como protetores solares ou filtros solares, são produtos capazes de prevenir os efeitos indesejados provocados pela exposição solar, como o envelhecimento precoce e a queimadura solar, além do câncer da pele. O fotoprotetor ideal deve ter amplo espectro, ou seja, ter boa absorção dos raios UVA e UVB e não ser irritante.

Eles podem ser físicos ou inorgânicos e/ou químicos ou orgânicos. Os protetores físicos, menos irritantes, à base de dióxido de titânio e óxido de zinco, como o LIPX SOLAIRE, se depositam na camada mais superficial da pele, refletindo as radiações incidentes. Eles não eram bem aceitos antigamente pelo fato de deixarem a pele com uma tonalidade esbranquiçada, mas isso tem sido minimizado pela coloração de base de alguns produtos, o LIPX SOLAIRE, tem argila. Já os filtros químicos funcionam como uma espécie de “esponja” dos raios ultravioletas, transformando-os em calor, causam mais sensibilização na pele.

Radiação UVA e UVB: um fotoprotetor eficiente deve oferecer boa proteção contra a radiação UVA e UVB. A radiação UVA penetra profundamente na pele, e é a principal responsável pelo fotoenvelhecimento e pelo câncer da pele. Já a radiação UVB é mais intensa entre as 10 e as 16 horas, sendo a principal responsável pelas queimaduras solares e pela vermelhidão na pele.

Como aplicar o fotoprotetor: o produto deve ser aplicado ainda em casa, e reaplicado ao longo do dia a cada 2 horas, se houver muita transpiração ou exposição solar prolongada. Tanto vale para corpo quanto para lábios do caso do LIPX SOLAIRE FPS15/UVA9. É necessário aplicar uma boa quantidade do produto, equivalente a uma colher de chá rasa para o rosto e três colheres de sopa para o corpo, uniformemente, de modo a não deixar nenhuma área desprotegida.

O filtro solar deve ser usado diariamente, mesmo quando o dia estiver frio ou nublado, pois a radiação UV atravessa as nuvens. É importante lembrar que usar apenas filtro solar não basta. É preciso complementar as estratégias de fotoproteção com outros mecanismos, como roupas, chapéus e óculos apropriados. Também é importante consultar um dermatologista regularmente para uma avaliação cuidadosa da pele, com a indicação do produto mais adequado.

Medidas de proteção:

  • Usar chapéus, camisetas, óculos escuros e protetores solares.
  • Cubra as áreas expostas com roupas apropriadas, como uma camisa de manga comprida, calças e um chapéu de abas largas.
  • Evitar a exposição solar e permanecer na sombra entre 10 e 16 horas (horário de verão).
  • Na praia ou na piscina, usar barracas feitas de algodão ou lona, que absorvem 50% da radiação ultravioleta. As barracas de nylon formam uma barreira pouco confiável: 95% dos raios UV ultrapassam o material.
  • Usar filtros solares diariamente, e não somente em horários de lazer ou de diversão. Utilizar um produto que proteja contra radiação UVA e UVB.  Reaplicar o produto a cada duas horas ou menos, nas atividades de lazer ao ar livre. Ao utilizar o produto no dia a dia, aplicar uma boa quantidade pela manhã e reaplicar antes de sair para o almoço.
  • Observar regularmente a própria pele, à procura de pintas ou manchas suspeitas.
  • Manter bebês e crianças protegidos do sol. Filtros solares podem ser usados a partir dos seis meses.
  • Consultar um dermatologista uma vez ao ano, no mínimo, para um exame completo.
Publicado em Deixe um comentário

Labot Green lança novos lipbalms com matérias-primas ecofriendly e sustentáveis e é certificada Vegana e cruelty free pela PETA

A Labot green marca especializada em cosméticos de cuidado labial, em sua busca continua por matérias-primas sustentáveis e ecofryendly, traz esta tendência para seus lançamentos deste ano: lipbalms com cera de arroz e de chá verde.

Além do sucesso do lançamento dos novos lipbalms mais emolientes e cremosos, a Labot sai na frente mais uma vez e reformula seu best seller, o esfoliante labial, Lipx Polish Noite, em uma formulação exclusiva, sem cera de abelha e recebe a certificação vegana e cruelty free para toda sua linha LIPX,  da internacional PETA.

Os dois novos lipbalms seguem esta tendência ecofriendly /sustentável e são ricos em ingredientes de origem vegetal, muito emolientes, hidratantes e antioxidantes, como óleos, manteigas e ésteres vegetais, Lipx Salve Hidratante e Green Lipx Hidratante e Refrescante.

A versão Green Lipx inspirada na Ásia contém em sua formulação óleo essencial de menta refrescante, manteiga de monoi, muito hidratante e cera de chá verde responsável pelo seu aroma e sabor de chá natural. Derivada da planta Camellia sinensis, nativa do leste e sudeste da Ásia e do subcontinente indiano, é obtida por leve extração de CO2 das folhas, e é ambientalmente amigável. Também é sustentável, sendo um subproduto do processo de fabricação do chá descafeinado.

A versão Lipx Salve com extrato natural de baunilha responsável pelo aroma suave e carinhoso, jojoba muito emoliente, ésteres vegetais calmantes e cera de arroz obtida e do revestimento de farelo do arroz não OGM, Ecocert, e sustentavel sendo um bioproduto da produção do arroz, esta cera dá um toque suave, macio e muito cremoso para este lipbalm.

Publicado em Deixe um comentário

Porque os lábios ficam ressecados?

Os lábios são uma zona de transição entre a pele facial e a mucosa bucal.

Possuem uma epiderme com camada de queratina, mais fina que a da face, o que permite mostrar a derme vascularizada, responsável por sua coloração avermelhada.

Não possuem glândulas sebáceas e sudoríparas, características que confere baixa proteção à perda de água.

É uma região que merece cuidados especiais uma vez que a pele esta mais exposta ás influencias do ambiente como sol, ventos, frio e umidade. Estas condições levam a desidratação e em resposta os lábios ficam ásperos e secos, lesionando-se facilmente e podem formar crostas.

O problema labial mais comum são as fissuras ou rachaduras da fina camada de queratina e geralmente suas causas são: desidratação, passar saliva nos lábios, exposição aos raios UV.

A desidratação é mais comum em ambientes secos, mas também ocorre em clima frio, devido aos aquecedores. É bem recorrente em pessoas que respiram pela boca (devido a várias razões), ingerem pouca água ou sofrem excessiva perda de água no corpo.

Outra causa comum da desidratação é passar frequentemente a saliva nos lábios, removendo a camada natural de proteção, resultando em ressecamento e rachaduras na superfície dos lábios.

A exposição aos raios UV é outra causa das rachaduras labiais. Os raios UV danificam a pele e esta pode queimar e descamar como a pele das outras regiões do corpo. A descamação continua ate que todas as células que foram danificadas sejam substituídas pelas novas. Uma vez que a pele dos lábios foi danificada, não importa por qual razão, a flexibilidade dos lábios diminui por causa da perda da umidade natural e isso faz com que os lábios rachem mais, porque a pele perde a flexibilidade.

Entendendo melhor tudo isso, desenvolvemos produtos específicos de cuidado LABIAL, a Linha LIPX.

Desde a seleção criteriosa das matérias primas vegetais, o cuidado em saber sua origem, modo de extração, seus benefícios, aproveitando o melhor que os ingredientes naturais podem oferecer, até a segurança e eficácia do produto final, os lipbutters  são testados dermatologicamente, são veganos e cruelty free certificados pela PETA e alguns pela SVB.

Para serem usados em conjunto ou separadamente, melhorando rapidamente a pele da região e evitando as dores e incômodos dos lábios com rachaduras.

LIPX VEGOJELLY- geleia labial vegana, de berries, com refrescante sabor de menta, natural e não pegajosa.

LIPX SOLAIRE LIPBUTTER_FPS 15/UVA9 – Protetor solar labial com filtro solar físico, mineral,  vegano.

-LIPX POLISH LIPBUTTER_NOITE – Suave esfoliante com beta hidroxiácido e manteigas, reformulado, mais cremoso e ganhou selo PETA VEGANO

LIPX SALVE HIDRATANTE- balm labial com jojoba e extrato natural de baunilha, cuidado carinhoso com os lábios rachados

GREEN LIPX HIDRATANTE E REFRESCANTE – balm labial, muito cremoso, com cha verde e menta, gostinho de chá!

Publicado em Deixe um comentário

Cosméticos naturais e veganos, entendendo o significado dos selos

Estamos cada vez mais conscientes com relação aos produtos cosméticos que iremos incluir em nossa rotina, com a relação das empresas com as matérias-primas, testes realizados por estas, descartes e uso de materiais mais  sustentáveis.

No Brasil, estima-se que haverá um crescimento entre 5 a 10% do mercado de produtos naturais e orgânicos nos próximos cinco anos. Para se preparar para este crescimento as empresas precisam, padronizar os conceitos envolvidos na definição destes produtos.

Os selos que encontramos nos rótulos das embalagens nos direcionam para a opção desejada e nos oferece a segurança de estar comprando um produto de acordo com nossas exigências.

No Brasil, bem como na maioria dos países, ainda não existe uma regulamentação oficial para produtos cosméticos naturais e orgânicos porque o tema é um tanto novo e sua definição é bastante ampla e tem muitos entendimentos.

Diversas organizações nacionais e internacionais, buscando fazer uma padronização dos conceitos, definem regras emitindo certificações para produtos cosméticos que atendam aos conceitos estabelecidos.

Fizemos um breve resumo das principais Certificadoras para produtos naturais e veganos:

– COSMOS: referencia em vários países, principalmente Europa, este referencial europeu privado, foi desenvolvido juntamente com cinco certificadoras – BDIH, COSMEBIO, ECOCERT, ICAE, SOIL ASSOCIATION – com objetivo de definir requisitos mínimos comuns e definir regras para certificação de cosméticos naturais e orgânicos.

– NATRUE: associação internacional sem fins lucrativos, criada na Europa em 2007, para padronizar o desenvolvimento de cosméticos naturais e orgânicos. Essas regras, assim como na Cosmos, tratam das matérias-primas utilizadas até a fabricação do produto final. Para produtos que são vendidos somente no mercado nacional, geralmente é usado o selo do IBD.

– IBD: estabelece um acordo de reconhecimento mútuo com a NATRUE, para exportação dos produtos. É a maior certificadora da América Latina para produtos orgânicos desde 2014.

– Sociedade Vegetariana Brasileira ( SVB): criado em 2013, o programa de certificação, Selo Vegano, é bastante reconhecido nacionalmente e é atribuído a produtos isentos de ingredientes de origem animal e cuja empresa que o produziu e os fabricantes de seus ingredientes não realizam testes em animais. A maioria dos nossos Lipx tem esse selo.

– PETA: esta ONG fundada em 1980 é reconhecida em diversos países, e tem dois selos que podem ser atribuídos a produtos cosméticos –  SELO CRUELTY FREE  e o APPROVED VEGAN –  importante ficar atento, pois nem todo produto cruelty free é vegano:

Selo Cruelty-free,  garante que os produtos não são testados em animais, nem possuem matérias primas testadas em animais. Mas podem pode conter insumos de origem animal, por exemplo, mel e queratina, desde que sua obtenção não tenha caudado sofrimento ao animal.

Selo Approved Vegan, certifica que, além de não ter sido testado em animais, o produto também não tem matérias-primas de origem animal. Nesse caso o produto e considerado vegano. Este selo equivale ao Selo Vegano da SVB.

Sempre que tiver dúvida se aquele produto que tem o selo no rotulo é mesmo certificado por alguns desses órgãos, a consulta ao site destas certificadoras já ajuda muito, pois normalmente informam quais produtos são certificados por elas.

Publicado em Deixe um comentário

O girassol, multifuncional, é uma flor comestível.Sim!!

Girassol (Helianthus annus). Quando falamos em girassol automaticamente associamos à flor que gira em direção ao sol. Mas isso foi comprovado por um botânico já em 1880 que o Girassol só acompanha o sol quando pequeno. Isso porque o lado que recebe menos luz cresce mais e isso faz com que o caule incline. Quando adulto se posiciona com mais frequência do lado esquerdo.

Costumo dizer que O Girassol tem multifunção.

Ele é responsável pela maior produção de óleo vegetal  do mundo, que é usado na culinária e em cosméticos, inclusive nos hidratantes labiais da Linha Lipx, por ser rico em Vit E. Esse óleo é extraído das suas sementes que na verdade são os frutos das flores que ficam em seu miolo. Nossa Deborah, que confuso? Explico, o Girassol é uma inflorescência. As “pétalas” amarelas na verdade não são pétalas, são lígulas que protegem toda a inflorescência da flor. No miolo é onde encontramos as centenas de flores que compõem a planta. E cada florzinha dessa gera seu frutinho que é a semente de girassol, muito usada hoje como base na alimentação #plantbased.

O girassol também tem 2 funções agrícolas interessantes e importantes para a Sustentabilidade. Primeiro que ele é plantado como adubo verde em produções orgânicas. Ele faz parte do mix de sementes utilizado para trabalhar o solo antes do plantio de determinada olerícula. Ele tem a capacidade de retirar o silício da terra, o que ajuda muito em uma produção sem químicos. Outra função numa produção Orgânica é a de Quebra-Vento , ele consegue proteger a plantação  “diminuindo” a ação do vento, evitando que as plantas sejam arrancadas ou quebradas, além de fazer uma barreira natural contra insetos e bichinhos indesejados. Como? Esses insetos e pragas “param” nele antes de chegar nos produtos plantados. Se chegar perto de uma produção orgânica e se aproximar dos girassóis verá quantos bichinhos e polinizadores ficam nele. É até um pouco aflitivo. Parece que ele está sendo devorado! E  Na verdade está!

E mais uma função que é ainda pouquíssimo falada. O girassol é uma flor comestível. Sim!! Podemos comer suas lígulas branqueadas misturadas em saladas, arroz, risotos. O seu botão floral (antes da flor abrir) também pode ser cozido e servido como aspargo. O Girassol está dentro das 85% de espécies de flores comestíveis do mundo, se produzido de forma orgânica!

Uma flor tão linda, chamativa mas que tem um ciclo de vida rápido. Brota, floresce, gera seus frutos e sua beleza se vai muito rápido.

Que tal começar a plantar girassóis no quintal de casa, dentro do apartamento num cantinho ensolarado e degustar cada parte dele que é de comer. Tenho certeza que será uma experiência inusitada e até divertida se as crianças participarem.

E aí, Vamos Comer girassóis!?

Beijos Floridos

Deborah Gaiotto

@deborahnafazenda

Publicado em Deixe um comentário

Volume nos lábios sem procedimentos invasivos, sim!

Abra espaço em seu nécessaire natural e sustentável para produtos tecnológicos e poderosos.

Você já deve ter reparado que muitas famosas andam exibindo lábios volumosos por aí. A tendência levou celebs, influenciadores e fãs para as cadeiras de consultórios e clínicas estéticas em busca de preenchimentos, comumente feitos com ácido hialurônico. Mas, tão logo teve seu boom, a novidade já entrou em declínio. Isso porque, na contramão dos procedimentos invasivos, a beleza natural vem tendo um aumento exponencial. E isso engloba não só ativos mais naturais – isso é, uma composição que, ao ler, você saiba exatamente o que traz – mas também o boom da autoaceitação, poupando seu corpo de químicas e composições que podem ser nocivas no futuro. Até Kylie Jenner, conhecida mundialmente por lábios para lá de grandes, voltou atrás e removeu todo o preenchimento, causando novo furor nas redes sociais e levantando um debate sobre esse assunto.

Mas, entenda: se você morre de amores por uma boca um pouco mais volumosa e com contorno definido, isso está longe de ser um problema. O mercado de produtos naturais segue em constante avanço para entregar, em fórmulas bem mais simples, resultados que antes só eram esperados de sintéticos mirabolantes. E isso vale inclusive para lábios com mais volume.

É o caso do nosso LipX Extra Volume, com eficácia comprovada em aumentar o volume e ainda melhorar a definição da área dos lábios. Na fórmula, ativo verde poderoso, como o extrato oleoso da alga-marrom, Sea fern, espécie de alga encontrada na Bretanha e obtida por um processo inovador de cultura para atuar na nutrição lipídica, melhorando a definição e aumento de volume dos lábios. Junto dessa espécie de alga, aparece também a manteiga de monoi do Tahiti, que proporciona hidratação progressiva e duradoura para entregar o desejado bocão. Importada diretamente da Polinésia Francesa, essa matéria-prima é fabricada de maneira especial, de acordo com as regras locais: mergulhando as flores de Tiare em óleo de coco. Esse processo torna  a manteiga rica em ácidos graxos responsáveis por prolongar a hidratação e reestruturar o volume dos lábios.

Usado todos os dias, de manhã e à noite, o produto funciona como um tratamento e entrega lábios com mais volume a partir de três semanas de uso contínuo. E o melhor: sem precisar de retoques e agulhadas. Se você for do tipo que gosta de resultados instantâneo, tem mais: a partir da primeira aplicação, você já tem como efeito garantido a hidratação prolongada, o toque macio – sim, assim como o rosto e o corpo, seus lábios também precisam de atenção especial e cuidados com produtos específicos.

Publicado em Deixe um comentário

Quer aderir à tendência do gloss sem abrir mão das formulações naturais? Nós temos a solução!!

Quer aderir à tendência do gloss sem abrir mão das formulações naturais? Nós temos a solução

Já reparou que, de uns tempos para cá, várias celebridades têm adotado o gloss em suas produções, seja para aparições rotineiras ou para eventos importantes? Direto da década de 1990, o produto teve um forte revival nos últimos anos, principalmente nas passarelas das semanas de moda, e logo foi incorporado de volta à vida real e às mais diferentes maquiagens.

É bastante comum, na moda, na beleza e em outros setores, tendências irem e voltarem. E, no caso do gloss, os motivos que o fizeram voltar a protagonizar os nécessaires valem ser mencionados:

·   a versatilidade do item, que, dependendo da composição, tem sido usado em outras partes do rosto para um efeito molhado;

·   o boom das produções leves e bem fresh, com menos maquiagem e mais skincare, priorizando produtos multifuncionais de cuidado para a pele, olhos e boca;

·   depois da febre dos preenchimentos nos lábios, as pessoas têm procurado pelo efeito de volume, mas com procedimentos e truques menos invasivos. E, no caso do gloss, o viço tem esse efeito ótico de dar a impressão de lábios maiores.

Mas, como todo bom retorno, o gloss de agora tem atualizações importantes, principalmente nas formulações, bastante diferentes daquelas que usávamos em outras décadas. O que inclui, claro, uma evolução na textura dos novos produtos.

Diante de tanto sucesso, nós, da Labot Green Cosmetics, primeira marca a desenvolver uma linha exclusiva de cuidados com os lábios, não poderíamos deixar de oferecer um gloss incrível, com textura agradável e, claro, uma fórmula que vai além da entrega estética.

Por isso, apresentamos o LipX Vegojelly, à base de geleia de berries, manteiga de karité e manteiga de Monoï do Tahiti. A geleia é composta por óleo de rícino e cera de berries extraídas da casca seca das frutas, cultivadas e colhidas no Leste Asiático. Já os outros protagonistas da composição são dois ativos ultra reparadores: a manteiga de karité e a manteiga de Monoï do Tahiti. Enquanto o primeiro promove hidratação poderosa, afastando o ressecamento e devolvendo o aspecto saudável aos lábios, o segundo, misturado ao óleo de coco, tem efeito reparador, calmante e firmador.

Além do filme protetor que retém a hidratação, a cera de berries é também a responsável por dar o acabamento glow ao produto, que entrega um efeito gloss sem deixar o toque pegajoso, e refrescante, graças ao óleo essencial de menta. Tudo isso em uma fórmula 99,5 % natural, livre de petrolatos e silicones e certificada como vegana pela SVB.

Multifuncional, LipX Vegogelly pode ser inserido na rotina de cuidados de diversas formas:

·         como balm para uma hidratação reparadora;

·         depois do LipX Extra Volume, tratamento de volume;

·         por cima de qualquer batom ou do LipX Solaire para um efeito glow;

·         no make, pode ser usado para aplicação de glitter e para dar acabamento molhado às produções.

A novidade já está disponível  aqui, no nosso no e-commerce próprio, e nas lojas da Sephora, por R$ 36,00.

Publicado em Deixe um comentário

Agradecimento, Viva a Beleza Natural e Sustentável!

Viva a Beleza Natural e Sustentável! Agradecemos muito a torcida de todos neste evento, Prêmio Ecoera, onde todas as empresas participantes abriram suas agendas para discutirem sustentabilidade em sua cadeia de valor, foram 126 empresas inscritas ficamos entre os 26 finalistas, e desta vez não levamos o troféu, mas estar entre este time selecionado já foi uma enorme vitória.

Continuamos acreditando,  cada vez mais,  que precisamos produzir e consumir de forma mais responsável e sustentável.

Nesta quarta edição do Premio Ecoera que ocorreu no dia 09/11, as empresas foram avaliadas segundo um questionário de avaliação que mede as boas práticas das empresas divididas em três fases: pré-consumo, consumo e pós-consumo.

A fase do pré-consumo refere-se a fase que começa no plantio ou fabricação das matérias primas passando pela criação, desenvolvimento até a chegada das peças nos pontos de venda; a fase do consumo tem como foco o ponto de venda e as relações com os clientes; e a fase do pós-consumo, que mede as práticas positivas no término da vida útil dos produtos e na sua destinação quando descartado.

Vamos então destacar aqui estes pontos importantes que queremos dividir com vocês, sobre o que fazemos sobre estas boas praticas nestas nestas três fases:

Pré consumo:Desde o desenvolvimento dos produtos, os fornecedores são qualificados, as matérias primas são rastreáveis quanto a sua origem, extração e contribuição com economia local.

Não utilizamos matérias primas derivadas de animais, assim como derivados do petróleo, PEGs, silicones por não serem biodegradáveis, também são excluídos de nossa lista de ingredientes, assim como filtros solares químicos, essências sintéticas, parabenos, transgênicos e matéria primas com glúten.

Realizamos testes de eficácia e dermatológico, em laboratório qualificado e credenciado pela ANVISA em nossos produtos, garantindo assim a segurança e credibilidade de uso dos nossos produtos por nossos consumidores.

Valorizando a economia local

A fabrica onde são desenvolvidos e produzidos manualmente nossos produtos é nacional, está há 36 anos no mercado, empregando e gerando mão de obra especializada em fabricação de projetos naturais, gestão de resíduos e cuidado com meio ambiente. O mesmo acontece com nossas embalagens, são produzidas no Brasil, com plásticos que são recicláveis. Para toda nossa arte, nossos designers são brasileiros e estão alinhados também com nossos propósitos, utilizamos em toda nosso material impresso o selo FSC.

Para certificação de nossos produtos veganos, optamos pelo SELO VEGANO emitido pela Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB) que é uma organização sem fins lucrativos que opera desde 2003 com recursos advindos de doações de seus filiados e apoiadores, entre outras fontes de receita minoritárias.

Pós consumo – Criando Impacto Socioambiental Positivo

Este ano compensamos 507kg de massa plástica, derivadas de nossas embalagens plásticas que são recicláveis, com a adoção do selo EURECICLO.

As cooperativas de reciclagem são responsáveis pela destinação correta dos resíduos recicláveis, mas raramente são remuneradas por prestar esse serviço ambiental, quando adotamos o selo eureciclo, preenchemos justamente essa lacuna da remuneração proporcional ao serviço, contribuindo para o desenvolvimento do setor de reciclagem no Brasil, cumprindo com toda a regulamentação existente e para a promoção do avanço da reciclagem no Brasil.

Traremos novidades em breve! Enquanto isso, acompanhe nosso trabalho e saiba mais sobre os nossos produtos aqui no site ou no nosso Instagram. E se tiver sugestões de como podemos ser ainda mais sustentáveis, escreva para nós.

Publicado em Deixe um comentário

Somos finalistas da quarta edição do Prêmio Ecoera!

Já ouviu falar no Selo Eureciclo? Por meio de uma logística reversa, os idealizadores do projeto destinam o lixo produzido por uma marca para cooperativas e fazem a compensação ambiental dos resíduos produzidos. Dessa forma, impedem que plástico, papel e outros tipos de lixos vão parar no meio-ambiente, causando desmatamento e poluição, e também permitem que famílias se beneficiem financeiramente da reciclagem desse material, estimulando a economia.

Desde julho deste ano, nós da Labot passamos a ter o selo Eureciclo, criando, assim, um novo capítulo na história da nossa marca, que já se preocupa em oferecer produtos naturais e livre de crueldade animal para os nossos consumidores. Afinal de contas, cuidar do meio-ambiente faz parte de cuidar das pessoas. Desde então, conseguimos compensar 508kg de massa plástica que, graças a iniciativa, não foi descartada em florestas, mares e rios.

Esse novo momento, junto com toda a história que já vínhamos contando, nos permitiu sermos finalistas na 4ª edição do Prêmio Ecoera, promovido pelo portal homônimo e com foco em sustentabilidade. A Labot é uma das 26 finalistas, selecionadas entre 129 marcas, de variados setores de consumo, que foram avaliadas desde o processo de criação dos produtos até o momento do descarte de materiais. Os vencedores serão anunciados no dia 09.11, mas estar entre o time selecionado já é uma enorme vitória para nós!

Traremos novidades em breve! Enquanto isso, acompanhe nosso trabalho e saiba mais sobre os nossos produtos aqui no site ou no nosso Instagram. E se tiver sugestões de como podemos ser ainda mais sustentáveis, escreva para nós.:)

Publicado em Deixe um comentário

O PRÊMIO ECOERA

O Prêmio EcoEra, idealizado em 2015 pela especialista em sustentabilidade Chiara Gadaleta com o objetivo de analisar os mercados de moda, beleza e design com indicadores socioambientais, chega à sua quarta edição em 2018. Os 12 ganhadores serão revelados no dia 9 de novembro, durante a premiação que acontece na sede da SOS Mata Atlântica, em São Paulo.

Único a analisar o mercado com base em indicadores de sustentabilidade e desde a edição anterior com o olha também voltado para questões, O Premio ECOERA é fruto do amadurecimento do Movimento ECOERA, criado por Chiara em 2008, com o desafio de unir os setores da industria sob a ótica da sustentabilidade ambiental, social, econômica e cultural.

“As empresas inscritas abriram suas agendas para discutir sustentabilidade em sua cadeia de valor. Com isso, nosso levantamento passou a ser visto como uma ferramenta de autoanalise por parte das empresas e, de procedencia, por parte dos consumidores finais cada vez mais conscientes” explica Chiara Gadaleta.

Para esta edição as empresas preencheram um questionario de avaliação que mede as boas praticas das empresas divididas em três fases: pré-consumo, consumo e pós-consumo. A fase do pré-consumo refere-se a fase que começa no plantio ou fabricação das matérias primas passando pela criação, desenvolvimento até a chegada das peças nos pontos de venda; a fase do consumo tem como o ponto de venda e as relações com os clientes; e a fase do pós – consumo que mede as praticas positivas no termino da vida útil dos produtos e na sua destinação quando descartado.

As 26 empresas finalistas foram analisadas de acordo com a sua atuação e impacto em quatro categorias: “Planeta”, pontuação que avalia práticas relacionadas ao meio ambiente; “Pessoas”, para as ações relacionadas aos trabalhadores e comunidades locais; “Gênero”, categoria que avalia empresas que concentram esforços para avançar em igualdade de gênero e empoderamento das mulheres; e por fim o “EcoEra”, que abrange as três categorias, sendo o prêmio de maior importância atribuído à empresa de maior pontuação. Em cada uma das categorias serão premiadas pequenas (até 49 funcionários) e grandes empresas (acima de 250 funcionários).

São finalistas Labot Green Cosmetics, C&A, Pantys, Farm, Damyller, Agama, Mentah, Proposta Verde, Bemglo, Comas, EcoModas, Face it natural, Gaia Alforges, RosaP, Ipadma, LAB77, Maré Relógios, Alhma, Bléque, Envido, Mescla, Timirim, Coletivo de Dois Roupas, KITECOAT, , Rhodia e Undo.

Nessa quarta edição, 129 marcas se cadastraram e discutiram questões sociais e ambientais em toda sua cadeia produtiva. “Esse número mostra o amadurecimento do mercado de moda, beleza, design com indicadores de sustentabilidade”, complementa Chiara.

As finalistas foram avaliadas por um time de conselheiros composto por onze nomes:Felipe Ribenboim (da FRU.TO), Frinéia Rezende (do Legado das Águas), Letícia Veloso (da Index Assessoria), Márcia Hirota (da SOS Mata Atlântica), Patrícia Cota Gomes (Imaflora e Selo Origens), Paulina Chamorro (Portal ECOERA), Rachel Añon(Ponte a Ponte Empreendedorismo Socioambiental), Rachel Maia (Projeto Capacita-me), Renata Meirelles Solé (da Associação Brasileira de Estilistas), Luiza Lorenzetti (da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção) e WansSpiess (do Projeto CalçadaSP).