Publicado em Deixe um comentário

Quais os diferenciais dos nossos Lipbalms?

Blog Labot

Os lábios são uma zona de transição entre a pele facial e a mucosa bucal, possuem uma epiderme com fina camada de células de queratina, que permite mostrar a derme com pequenos vasos sanguíneos responsável por sua cor rosada. Não possuem glândulas sebáceas e sudoríparas, o que confere baixa proteção a perda de água.

A pele neste local esta mais exposta as influencias ambientais como ventos, sol, baixas temperaturas e umidade o que leva a desidratação, como resposta a pele dos lábios se torna áspera e seca podendo se lesionar facilmente. #lábiosressecados

Pensando em toda a anatomia da pele dos lábios, os melhores ingredientes para esta área são os óleos, ceras e manteigas, pois formam um filme protetor que aumenta a hidratação e a emoliência fatores que aceleram a regeneração da pele.

Por que optamos por ingredientes vegetais?

Retomamos os conhecimentos da medicina milenar tradicional de diversos países e apostamos no protagonismo dos ativos botânicos de alta tecnologia. Porque são altamente compatíveis com a pele e tem características peculiares, para aumentar a emoliência e hidratação dos lábios.

Os óleos vegetais são ricos em esqualeno e fitosteróis que aceleram a cicatrização, preservam a maciez e suavidade da pele.

As manteigas e emolientes de origem vegetal têm altos níveis de ácidos graxos que contribuem na umectação da pele e na conservação da elasticidade e são ricas em vitaminas A, C, D e F, previnem o ressecamento e estimulam a regeneração celular.

Ceras vegetais sustentáveis,  as plantas produzem ceras naturais que são sintetizadas bioquimicamente por bioorganismos para se protegerem contra tensões mecânicas, perda de umidade, parasitas e radiação UV inúmeras. Elas fornecem estabilidade, melhoram a viscosidade e a consistência dos nossos lipbalms. Formam camadas protetoras e proporcionam uma sensação de pele soberba, leve, macia e amanteigada. A produção de ceras de semente de girassol e de farelo de arroz, especificamente, cria uma cadeia de valor, pois os materiais brutos que normalmente seriam descartados são usados ​​de forma benéfica.

Ativo exclusivo de alga, óleo de dictiopteris obtido pela extração supercrítica de co2 da alga marrom Dictyopteris membranacea, conhecida por seu alto teor de feromônios. As algas são cultivadas usando métodos de cultivo marinho em uma área privada e protegida na costa da Bretanha (França). Este ativo aumenta a Adiponutrina e promove um efeito nutritivo sobre os adipócitos para reestruturar os volumes da pele. Os volumes são capturados, os lábios são preenchidos e a aspereza e as rugas periféricas desaparecem.

Qual diferencial dos nossos lipbalms?

Criamos a Linha Lipx para oferecer uma experiência de rotina diária de cuidado para os lábios. A rotina básica de cuidado com o rosto já é consolidada –  hidratação, remoção de células mortas e proteção solar –  mas os lábios ficaram um pouco esquecidos nesta hora.

Então, pensando nestes passos da rotina básica, elaboramos uma para os lábios, com lipbalms desenvolvidos em composições funcionais, ricos em ingredientes de origem vegetal em sua maioria certificados Cosmos/Ecocert, com alta compatibilidade com esta pele delicada e fina que fica muito exposta e sem proteção adequada. Nesta seleção contemplamos a hidratação, com Lipx Salve, Green Lipx e Lipx Vegojelly; proteção solar físcia com Lipx Solaire FPS 15/UVA9; esfoliação noturna com Lipx Polish noite e ação reestruturadora, com aumento do volume e definição dos lábios, Lipx Extra Volume.

Certificações

Selo Peta: todos os nossos lipbalms são certificados cruelty free e veganos, isto é, todoas as matérias primas e o produto final não tem ingrediente de origem animal e nem foram testados em animais.

Selo Eureciclo: Ao adotar o selo eureciclo, estamos, investindo em uma rede de cooperativas e operadores parceiros, que são remunerados pelo serviço prestado de coleta e direcionamento de resíduos para a reciclagem.Isso significa que, ao compensar o impacto das suas embalagens, ajudamos também ajuda a formalizar e valorizar o trabalho prestado por essas organizações, desenvolvendo a cadeia de reciclagem do país.

Publicado em Deixe um comentário

Labot Green dá dicas para reduzir o ressecamento dos lábios causado pelo uso de máscaras.

Saiba como reduzir os prejuízos aos lábios durante e após a pandemia, com as cinco dicas que a marca separou:

Usar máscaras ao sair de casa tornou-se parte de nossa rotina. No entanto, o calor e a umidade, em conjunto com a fricção da máscara, podem irritar a fina camada labial e acabar causando o ressecamento e rachaduras. Para ajudar na hidratação e cuidado com a saúde dos lábios neste “novo normal”, Raquel Goldman, farmacêutica e fundadora da Labot Green, separou cinco dicas para adotar antes e depois da pandemia:

Hidratação

Tomar água ou hidratar os lábios tornou-se um desafio durante a pandemia, já que qualquer descuido pode colocar a saúde em risco. Mas são questões que não devem ser deixadas de lado e podem ser feitas com precaução. “Higienize sempre as mãos antes reaplicar o lipbalm e para não deixar de tomar água, uma boa solução é levar sempre consigo uma garrafa, assim a bebida fica disponível a todo tempo”, informa Raquel.

Durabilidade do hidratante

Opte por lipbalms ricos em ceras, óleos e manteigas vegetais, o que evita ter que retocar o produto várias vezes ao dia, mantendo a máscara no rosto por mais tempo. Para  a CEO da Labot Green, o mais importante é usar produtos que tenham o poder de se aderir e permanecer na pele, formando um filme de proteção capaz de repor os lipídeos e os nutrientes essenciais ‘phytocompensadores’ para restaurar a elasticidade natural, combatendo, assim, a desidratação e protegendo contra os agentes externos.

Proteção Solar

Estar de máscara não anula a necessidade de usar protetor solar. A maioria dos tecidos fornece um nível de FPS mínimo, mas, ainda assim, é necessário um reforço extra. “Existem muitos produtos indicados especialmente para os lábios, considerando que a pele da boca é diferente do resto do rosto, ela deve ter um cuidado especial. O protetor solar labial vai auxiliar a boca a se manter mais jovem por mais tempo, além de ajudar a evitar danos mais graves, como o câncer de pele”, ressalta Raquel.

Cuidado com a saliva

Assim que sentimos a pele ressecada, imediatamente passamos a língua para umedecê-la. “Evitar a lambedura dos lábios secos é também uma dica valiosa, além de remover os óleos naturais que estão na pele, a saliva vai irritar mais ainda a região. O autocuidado é essencial para manter-se física e mentalmente bem durante tempos difíceis. O ideal é procurar lipbalms que tenham potente poder hidratante, nutritivo e revitalizante”, afirma Raquel.

Esfoliação

Quando a pele fica desidratada e ressecada é comum que apareçam pontas e peles soltas nos lábios. O primeiro instinto que temos é o de puxá-las e retirá-las. “Esse comportamento deve ser evitado, uma vez que machuca mais a região. O ideal é usar um esfoliante leve desenvolvido especialmente para os lábios, como o Lipx Polish Noite da Labot Green”, explica a CEO.

Saúde para os lábios

Todas essas tendências fazem parte do portfólio de produtos da Labot Green, dentre eles, podemos destacar o Lipx Extra Volume com ativo de alga que define e aumenta o volume dos lábios. LipXSolaire – FPS 15/UVA9, primeiro Protetor Solar Mineral feito no Brasil para lábios; Lipx Polish Noite, esfoliante labial noturno sem partículas o gloss 99,5% natural, Lipx Vegojelly, formulado com cera de berries e manteigas ultra reparadoras. Livres de óleo mineral e silicones. E nossos lançamentos formulados com ceras sustentáveis de chá verde de do arroz, Lipx Salve e Green Lipx. “informa a CEO.

Os produtos estão disponíveis no e-commerce da Labot Green e nos principais varejos do Brasil.

Para mais informações, acesse no site.

Publicado em Deixe um comentário

Ceras naturais – Sustentabilidade e Cuidados com a pele em sintonia com a natureza.

Algumas pessoas dizem que você não deve colocar nada que não queira comer na pele!

As ceras que utilizamos são aprovadas para uso em alimentos ou para contato com alimentos, portanto, são realmente seguras, para uso tópico e são ideais para nossos balms!

Para se protegerem contra tensões mecânicas, perda de umidade, parasitas e radiação UV inúmeras plantas produzem ceras naturais que são sintetizadas bioquimicamente por bioorganismos .

Principalmente em climas quentes, as plantas secretam ceras como forma de controlar a evaporação e a hidratação, principalmente para proteger contra a desidratação.

Utilizamos a cera da folha de chá , da casca de frutas, semente de girassol e farelo de arroz, e são de origem rebrota. Mas, para garantir sua sustentabilidade, toda a cadeia de suprimentos deve ser revisada, com foco especial em sourcing.

Quando se trata de ceras naturais, os critérios de sustentabilidade devem incluir o uso de recursos renováveis, bem como a garantia de que a flora e a fauna não sejam prejudicadas durante a colheita ou pela criação de novas plantações. #sustentabilidade

Em geral, a sustentabilidade tem três pilares: meio ambiente, economia e sociedade. Por exemplo, o pilar “sustentabilidade ecológica” descreve o manejo cuidadoso dos recursos naturais para manter nosso planeta para as gerações futuras. Isso inclui a proteção do clima, a preservação da biodiversidade e a manutenção da paisagem em sua forma original.

A produção de ceras de semente de girassol e de farelo de arroz, especificamente, cria uma cadeia de valor, pois os materiais brutos que normalmente seriam descartados são usados ​​de forma benéfica.

A cera costumava ser descartada junto com outros resíduos e impurezas. A sua utilização é, portanto, uma espécie de reciclagem muito amiga do ambiente.

As ceras “verdes” de fornecem estabilidade, melhoram a viscosidade e a consistência dos nossos lipbalms. Formam camadas protetoras e proporcionam uma sensação de pele soberba, leve, macia e amanteigada.

São a base dos nossos produtos e a preocupação com meio ambiente, com os animais, a biocompatibilidade com a pele norteiam todo nosso processo de P&D.

Publicado em Deixe um comentário

O girassol, multifuncional, é uma flor comestível.Sim!!

Girassol (Helianthus annus). Quando falamos em girassol automaticamente associamos à flor que gira em direção ao sol. Mas isso foi comprovado por um botânico já em 1880 que o Girassol só acompanha o sol quando pequeno. Isso porque o lado que recebe menos luz cresce mais e isso faz com que o caule incline. Quando adulto se posiciona com mais frequência do lado esquerdo.

Costumo dizer que O Girassol tem multifunção.

Ele é responsável pela maior produção de óleo vegetal  do mundo, que é usado na culinária e em cosméticos, inclusive nos hidratantes labiais da Linha Lipx, por ser rico em Vit E. Esse óleo é extraído das suas sementes que na verdade são os frutos das flores que ficam em seu miolo. Nossa Deborah, que confuso? Explico, o Girassol é uma inflorescência. As “pétalas” amarelas na verdade não são pétalas, são lígulas que protegem toda a inflorescência da flor. No miolo é onde encontramos as centenas de flores que compõem a planta. E cada florzinha dessa gera seu frutinho que é a semente de girassol, muito usada hoje como base na alimentação #plantbased.

O girassol também tem 2 funções agrícolas interessantes e importantes para a Sustentabilidade. Primeiro que ele é plantado como adubo verde em produções orgânicas. Ele faz parte do mix de sementes utilizado para trabalhar o solo antes do plantio de determinada olerícula. Ele tem a capacidade de retirar o silício da terra, o que ajuda muito em uma produção sem químicos. Outra função numa produção Orgânica é a de Quebra-Vento , ele consegue proteger a plantação  “diminuindo” a ação do vento, evitando que as plantas sejam arrancadas ou quebradas, além de fazer uma barreira natural contra insetos e bichinhos indesejados. Como? Esses insetos e pragas “param” nele antes de chegar nos produtos plantados. Se chegar perto de uma produção orgânica e se aproximar dos girassóis verá quantos bichinhos e polinizadores ficam nele. É até um pouco aflitivo. Parece que ele está sendo devorado! E  Na verdade está!

E mais uma função que é ainda pouquíssimo falada. O girassol é uma flor comestível. Sim!! Podemos comer suas lígulas branqueadas misturadas em saladas, arroz, risotos. O seu botão floral (antes da flor abrir) também pode ser cozido e servido como aspargo. O Girassol está dentro das 85% de espécies de flores comestíveis do mundo, se produzido de forma orgânica!

Uma flor tão linda, chamativa mas que tem um ciclo de vida rápido. Brota, floresce, gera seus frutos e sua beleza se vai muito rápido.

Que tal começar a plantar girassóis no quintal de casa, dentro do apartamento num cantinho ensolarado e degustar cada parte dele que é de comer. Tenho certeza que será uma experiência inusitada e até divertida se as crianças participarem.

E aí, Vamos Comer girassóis!?

Beijos Floridos

Deborah Gaiotto

@deborahnafazenda

Para saber mais dos nossos lipbalms, sugerimos que veja também esta publicação: https://www.labot.com.br/porque-os-labios-ficam-ressecados/

Publicado em 1 comentário

Agradecimento, Viva a Beleza Natural e Sustentável!

Viva a Beleza Natural e Sustentável! Agradecemos muito a torcida de todos neste evento, Prêmio Ecoera, onde todas as empresas participantes abriram suas agendas para discutirem sustentabilidade em sua cadeia de valor, foram 126 empresas inscritas ficamos entre os 26 finalistas, e desta vez não levamos o troféu, mas estar entre este time selecionado já foi uma enorme vitória.

Continuamos acreditando,  cada vez mais,  que precisamos produzir e consumir de forma mais responsável e sustentável.

Nesta quarta edição do Premio Ecoera que ocorreu no dia 09/11, as empresas foram avaliadas segundo um questionário de avaliação que mede as boas práticas das empresas divididas em três fases: pré-consumo, consumo e pós-consumo.

A fase do pré-consumo refere-se a fase que começa no plantio ou fabricação das matérias primas passando pela criação, desenvolvimento até a chegada das peças nos pontos de venda; a fase do consumo tem como foco o ponto de venda e as relações com os clientes; e a fase do pós-consumo, que mede as práticas positivas no término da vida útil dos produtos e na sua destinação quando descartado.

Vamos então destacar aqui estes pontos importantes que queremos dividir com vocês, sobre o que fazemos sobre estas boas praticas nestas nestas três fases:

Pré consumo:Desde o desenvolvimento dos produtos, os fornecedores são qualificados, as matérias primas são rastreáveis quanto a sua origem, extração e contribuição com economia local.

Não utilizamos matérias primas derivadas de animais, assim como derivados do petróleo, PEGs, silicones por não serem biodegradáveis, também são excluídos de nossa lista de ingredientes, assim como filtros solares químicos, essências sintéticas, parabenos, transgênicos e matéria primas com glúten.

Realizamos testes de eficácia e dermatológico, em laboratório qualificado e credenciado pela ANVISA em nossos produtos, garantindo assim a segurança e credibilidade de uso dos nossos produtos por nossos consumidores.

Valorizando a economia local

A fabrica onde são desenvolvidos e produzidos manualmente nossos produtos é nacional, está há 36 anos no mercado, empregando e gerando mão de obra especializada em fabricação de projetos naturais, gestão de resíduos e cuidado com meio ambiente. O mesmo acontece com nossas embalagens, são produzidas no Brasil, com plásticos que são recicláveis. Para toda nossa arte, nossos designers são brasileiros e estão alinhados também com nossos propósitos, utilizamos em toda nosso material impresso o selo FSC.

Para certificação de nossos produtos veganos, optamos pelo SELO VEGANO emitido pela Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB) que é uma organização sem fins lucrativos que opera desde 2003 com recursos advindos de doações de seus filiados e apoiadores, entre outras fontes de receita minoritárias.

Pós consumo – Criando Impacto Socioambiental Positivo

Este ano compensamos 507kg de massa plástica, derivadas de nossas embalagens plásticas que são recicláveis, com a adoção do selo EURECICLO.

As cooperativas de reciclagem são responsáveis pela destinação correta dos resíduos recicláveis, mas raramente são remuneradas por prestar esse serviço ambiental, quando adotamos o selo eureciclo, preenchemos justamente essa lacuna da remuneração proporcional ao serviço, contribuindo para o desenvolvimento do setor de reciclagem no Brasil, cumprindo com toda a regulamentação existente e para a promoção do avanço da reciclagem no Brasil.

Traremos novidades em breve! Enquanto isso, acompanhe nosso trabalho e saiba mais sobre os nossos produtos aqui no site ou no nosso Instagram. E se tiver sugestões de como podemos ser ainda mais sustentáveis, escreva para nós.

Publicado em Deixe um comentário

SELO EURECICLO

Estamos muito felizes em anunciar nossa nova conquista, o selo EURECICLO!  Agora além de usarmos embalagens recicláveis, podemos seguir adiante, pois a Eureciclo trabalha juntamente com diversas cooperativas de reciclagem para que elas reciclem uma quantidade de material equivalente ao que a Labot gera em volume de embalagens.E remunera a cooperativa por esse serviço e, assim, recebe um certificado de compensação ambiental que comprova o investimento em economia circular e incentiva a cadeia de reciclagem no Brasil.

“O consumo consciente e os impactos ambientais vão se tornando assuntos cada vez mais discutidos na sociedade e dentro das empresas. Os negócios precisam se adaptar e entender que possuem um papel de grande importância na discussão da sustentabilidade do planeta. O selo eureciclo vem com uma proposta sustentável, inclusiva e transparente, para mostrar que é fácil deixar um impacto positivo para seus clientes, o mercado e o mundo agora – sem deixar a sua responsabilidade para o outro ou para depois.”

As empresas de bens de consumo vendem produtos em embalagens, certo? Essas embalagens chegam aos consumidores e depois não se sabe mais para onde elas vão. Isso quer dizer que uma quantidade gigantesca de resíduos sólidos de plástico, vidro, papel ou metal estão sendo descartados no planeta e não há garantia nenhuma de que serão reciclados e retornarão para a cadeia de produção. Na verdade, visto que somente 3% do lixo que geramos hoje no Brasil é reciclado, o mais provável é que esses resíduos vão para lixões e aterros, podendo chegar a rios e mares, e ficam lá por centenas de anos se decompondo e poluindo, deixando um impacto bastante negativo para o meio ambiente.

Ao se tornar uma marca engajada, nós estamos investindo e desenvolvendo a cadeia de reciclagem no Brasil. Remunerando as cooperativas pelo serviço ambiental que elas realizam, elevando a renda e a autonomia dos cooperados, criando melhores condições de trabalho e de vida.